Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2022

A PAPISA JOANA - Narrativa Breve - Giovanni Boccaccio

Imagem
  A PAPISA JOANA Giovanni Boccaccio (1313 – 1375)   João, apesar do nome masculino, era, na verdade, uma mulher, cujo inaudito atrevimento a tornou inusitadamente conhecida de todos em seus dias e dos que vieram depois. Embora alguns digam que ela era de Mainz, mal se sabe qual era o seu próprio nome e, segundo alguns, chamava-se Giliberta. Sabe-se que ela foi amada por um jovem estudante em sua juventude, e ela tanto correspondeu a esse amor que, tendo vencido o medo virginal e o pudor feminino, fugiu da casa de seu pai em segredo e — mudando de nome e vestindo-se como um garoto — seguiu o namorado. Depois, estudando na Inglaterra, onde todos a tomavam por jovem clérigo, aplicou-se aos estudos de Vênus e da literatura. Tendo falecido o jovem, e sabendo-se possuidora de elevado intelecto e de inclinação pela ciência, manteve o hábito de religioso, e passou a evitar a companhia dos homens, escondendo de todos a sua condição de mulher. Aferrando-se diligentemente aos estu

UMA PANTOMIMA DE SUCESSO - Narrativa Breve - H. R. Tlyr

Imagem
UMA PANTOMIMA DE SUCESSO H. R. Tlyr (Séc. XX)   Sir Frederick Bridge, famoso organista da abadia de Westminster, estava na Rússia com seu amigo, o romancista James James L. Player. Acabavam de visitar Moscou e já estavam de partida para Leningrado, onde Sir Frederick deveria realizar alguns concertos. Seduzidos pelas maravilhas da arquitetura oriental da cidade, os amigos não perceberam que o tempo voara. Quando Mr. Player consultou o relógio, viu que só lhes restavam trinta minutos para chegarem à estação ferroviária. —Depressa, um carro! Encontrado um táxi, surgiu uma nova dificuldade: como explicar ao motorista que queriam chegar à estação?  Aquele homem russo, de pouca instrução, não sabia uma palavra de inglês e eles não falavam russo. —Imite uma locomotiva — propôs o romancista. — Enquanto você move os braços em círculos, como se impulsionasse a máquina, dirá: “Tchaca, tchaca, tchaca, tchaca...” Ao mesmo tempo, eu farei o gesto de puxar a corda de escapamento e