A PATITURA INTOCÁVEL - Conto de Narciso Campillo


A PATITURA INTOCÁVEL
Narciso Campillo
(1835 – 1900)
Tradução de Paulo Soriano

Mozart e Haydn foram convidados a um jantar.

Mozart, que era um companheiro muito alegre e grande aficionado do champanhe, disse a Haydn:

— Aposto seis garrafas de champanhe que componho, agora mesmo, uma peça de música que você não vai conseguir tocar.

— Aceito a aposta — disse o maestro, rindo.

Mozart se dirigiu a uma escrivaninha, rabiscou um punhado de notas e entregou a partitura ao velho Haydn.

Lançando os olhos no papel, o mestre admirou-se com a simplicidade daquela pequena composição, que, a um primeiro olhar, não parecia engendrar qualquer dificuldade em sua execução.

Então Haydn sentou-se ao piano, exclamando:

— Mozart tem indigestão de dinheiro e quer pagar champanhe.

— Veremos — respondeu este, esfregando as mãos.

Haydn, depois de haver preludiado, parou subitamente a execução da pequena peça.

— Como você quer que eu toque isto? — exclamou. — Minhas duas mãos devem estar ocupadas em cada extremo do teclado e, ao mesmo tempo, têm que, justamente, tocar uma nota que está no centro.

— E isto o detém? Pois bem. Verá como se toca — respondeu Mozart, pondo-se ao piano.

De pronto, se põe a preludiar. Chegado à famosa passagem, Mozart, dedilhando os extremos do piano e sem parar um segundo sequer, toca a nota do centro. Como? Tangendo com o seu nariz a tecla mediana.

Todo mundo caiu na gargalhada e a música prosseguiu.

Diga-se que Haydn tinha o nariz chato, ao passo que Mozart tinha bem comprido o seu.

Haydn pagou, pois, a exiguidade de sua protuberância nasal com seis garrafas de champanhe.  

0 Comentários