SALOMÃO E AZRAEL - Conto Breve de Rumi



SALOMÃO E AZRAEL
Rumi
(1207 – 1273)
Tradução indireta de Paulo Soriano

 

Um homem apresentou-se muito cedo ao palácio do profeta Salomão. Tinha o rosto pálido e os lábios exangues.

Salomão, vendo-o assim, perguntou:

— Por que estás em tal estado?

O homem respondeu:

— Azrael, o anjo da morte, me lançou um olhar impressionante, cheio de ódio. Manda que o vento, eu te suplico, me transporte para a Índia, pondo a salvo o meu corpo e a minha alma!

Salomão mandou, pois, que o vento fizesse o que o homem lhe pedira.

No dia seguinte, o profeta perguntou a Azrael:

— Por que lançaste um olhar tão inquietante àquele homem, que é um fiel? Causaste nele tão grande pavor que abandonou a sua pátria.

Azrael respondeu:

—Ele interpretou mal o meu olhar. Não o olhei com ódio, mas com assombro. Deus, de fato, me havia ordenado a ceifar a sua vida na Índia e eu me perguntei: como poderia ele transportar-se para a Índia?

 

Imagem: Evelyn De Morgan (1855- 1919).


0 Comentários